06/07/2022 +55 (83) 988111301

PolĂ­tica

Bingo

FHC defende Doria em disputas internas do PSDB e reafirma que prévias da sigla devem ser respeitadas

Por Jr Blitz 15/05/2022 às 15:00:26
Ex-presidente elogiou, em postagem nas redes sociais, postura de João Doria. Ex-governador de SP enviou carta ao presidente do partido afirmando que não vai desistir da candidatura à presidência e que poderá judicializar, caso seja abandonado pela legenda. Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente do Brasil, durante evento na Cidade do México em março de 2013

Yuri Cortez/AFP/Arquivo

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) defendeu a postura de João Doria (PSDB) sobre a manutenção da pré-candidatura à Presidência pelo partido.

Neste domingo (15), o ex-governador de São Paulo João Doria enviou uma carta ao presidente do PSDB, Bruno Araújo, em que sobe o tom ao reafirmar que não vai desistir da candidatura e indica que poderá judicializar a situação, caso seja abandonado pela sigla.

"Agiu bem o candidato João Doria. Ressaltando que o resultado das prévias deve ser respeitado".

Em março, também por meio das redes sociais, o ex-presidente já tinha manifestado apoio a Doria por conta das disputas internas.

FHC sai em defesa de João Doria nas redes sociais

Reprodução/Twitter

Após a divulgação da carta, Bruno Araújo convocou uma reunião da Comissão Executiva Nacional do PSDB para debater as afirmações do ex-governador. Ao blog, João Doria reiterou que não irá abrir mão da candidatura nas eleições presidenciais deste ano.

Em um dos trechos da carta, o ex-governador pede a Bruno Araújo que respeite a vontade dos filiados do partido que participaram das prévias – que definiram João Doria como o pré-candidato tucano ao Palácio do Planalto.

"Solicitamos que você [Bruno Araújo] respeite o estatuto do PSDB e a vontade democraticamente manifestada pela ampla maioria dos trinta mil eleitores do nosso partido", afirma Doria.

Em outro ponto, o ex-governador diz que, antes mesmo das prévias, existia uma "movimentação de parte da cúpula" do PSDB contra ele e que, depois do processo interno, "tentativas de golpe continuaram acontecendo".

"Qual foi a nossa surpresa ao saber que, apesar de termos vencido legitimamente as prévias, as tentativas de golpe continuaram acontecendo. As desculpas para isso são as mais estapafúrdias, como, por exemplo, a de que estaríamos mal colocados nas pesquisas de opinião pública e com altos índices de rejeição, cinco meses antes do pleito", afirma o ex-governador no documento, que também é assinado por seu advogado.

Doria declara, no texto, que pesquisas de opinião "refletem o momento" e não podem "servir para guiar os destinos" do PSDB nas eleições nem o voto dos eleitores. Ele não tem tido bom desempenho nas sondagens feitas por institutos de pesquisa.

O ex-governador de São Paulo diz ainda que, "a cada semana", as movimentações de Bruno Araújo "mudam" e que isso "cria insegurança jurídica para os filiados". E declara que uma decisão da cúpula partidária não pode se sobrepor às prévias. Doria também afirma que eventuais descumprimentos do estatuto do partido podem ser questionados judicialmente.

No final do documento, João Doria diz que usará de "todas" as suas "forças" para fazer "prevalecer a vontade, democraticamente manifestada pela imensa maioria dos filiados do PSDB, e para que seja respeitada a lisura nos gastos realizados com o fundo partidário".

Em novembro do ano passado, Doria foi escolhido como pré-candidato do PSDB à Presidência da República ao derrotar, em eleição interna, o ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto.

Na ocasião, após um processo tumultuado, o ex-governador de São Paulo recebeu 53,99% dos votos, enquanto Leite obteve 44,66% e Virgílio, 1,35%.

'Terceira via'

Apesar de ter realizado as prévias, o PSDB manteve contato com outras legendas, como o MDB e o Cidadania, a fim de construir uma candidatura única de centro ao Palácio do Planalto, que tem sido chamada de "terceira via". Seria uma alternativa aos nomes do presidente Jair Bolsonaro (PL) e do ex-presidente Lula (PT).

Bruno Araújo tem dito que as articulações com outras siglas de centro contaram com a "anuência" de João Doria.

As conversas em torno de uma candidatura única da terceira via, entretanto, não têm avançado. Recentemente, o União Brasil, presidido pelo deputado Luciano Bivar (PE), que estava participando das negociações, anunciou o desembarque do partido do grupo. Segundo Bivar, o União Brasil terá candidatura própria no pleito de outubro.

O impasse dentro do PSDB e a indicação, por meio de pesquisas eleitorais, de uma disputa polarizada entre Lula e Bolsonaro levaram o ex-ministro das Relações Exteriores e ex-senador Aloysio Nunes a anunciar apoio ao petista na disputa.

Em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo", Aloysio Nunes, que é filiado ao PSDB há décadas, disse que Doria “não tem apoio consistente dentro do próprio PSDB”. E declarou que Lula é o candidato capaz de derrotar Jair Bolsonaro. "Não há hesitação possível. Vou apoiá-lo [Lula] no primeiro turno”, afirmou Nunes.

Fonte: G1

Comunicar erro
ComentĂĄrios