Blitz Paraiba

leia mais:

Saiba o que é verdade e boato sobre protestos e evite ‘fake news’

Notícias falsas sobre falta de água, circulação de ônibus e preços dos combustíveis se espalharam nas redes sociais

41

Os boatos que se espalham pelas redes sociais agravam ainda mais a divulgação de informações concretas sobre a greve dos caminhoneiros e o desabastecimento de combustível. Só nesta quinta-feira (24), houve informações falsas sobre a circulação de ônibus, abastecimento de água e preços de combustíveis.

Leia também:

Ônibus

Em João Pessoa e Campina Grande, as frotas de veículos estão reduzidas praticamente à metade para economizar óleo diesel. As informações foram confirmadas oficialmente pela Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana (Semob-JP) e Superintendência de Trânsito e Trasportes Públicos (STTP-CG). Leia aqui. Nas redes sociais, surgiu a informação falsa de que o serviço seria 100% paralisado.

Preços dos combustíveis

Em vários grupos de WhatsApp estão circulando fotos mostrando que postos de combustíveis em bairros de João Pessoa já estariam vendendo gasolina a R$ 9,28. O fato não é verdadeiro e a imagem é apenas uma montagem. Na verdade o estabelecimento está vendendo o combustível por R$ 4,28. Os Procons do Estado e de João Pessoa informaram que estão mobilizados contra abusos. O Procon de João Pessoa disse nesta quinta (24) que notificou 60 postos da Capital para que expliquem por que reajustaram os preços.

Água

A Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) desmentiu nesta quinta-feira (24) o boato disseminado por meio de um áudio no aplicativo WhatsApp, que alerta equivocadamente sobre a suspensão no abastecimento na Grande João Pessoa às 17h desta quinta-feira (24). O presidente da companhia, Hélio Cunha Lima, confirma que, mesmo com a dificuldade na entrega de produtos químicos para o tratamento de resíduos por causa da greve dos caminhoneiros, a Cagepa possui estoque de materiais suficiente para garantir o abastecimento na Região Metropolitana de João Pessoa pelos próximos 10 dias, no mínimo.

“Mesmo que a situação esteja sob controle até agora, é importante pedir à população que economize água. Quanto mais racionalmente consumirmos nesse período, mais tempo levaremos para gastar o estoque dos insumos básicos para tratamento, haja vista que a manifestação dos caminhoneiros ainda não tem previsão para ser encerrada. Ou seja, com a ajuda da população, podemos, inclusive, estender esse prazo de 10 dias”, ressaltou.

Em consonância com os esforços do Governo do Estado pela manutenção dos serviços essenciais, a Cagepa está analisando alternativas para que suas atividades de produção continuem sem interrupção. Nesse ínterim, Hélio Cunha Lima pede a ajuda da população para não compartilhar as fake news. “Antes de disseminar mensagens de conteúdo duvidoso, orientamos que a população entre em contato com o teleatendimento da Cagepa, por meio do número 115, para atestar a veracidade da informação. A ligação é gratuita e pode ser feita de telefone fixo ou celular”, pontuou o presidente.

Comércio de Campina

A Câmara dos Dirigentes Logistas (CDL) em Campina Grande comunicou nesta quinta (24) que não fez nenhum tipo de orientação sobre o horário de funcionamento do comércio em virtude da greve dos caminhoneiros e crise no fornecimento de combustíveis na cidade. “Cada estabelecimento pode atender normalmente, dentro do horário habitual”, disse a CDL.

Segundo a CDL, o comunicado se dá em virtude de uma mensagem de WhatsApp que está circulando, informando que a CDL teria se manifestado a respeito do assunto, orientando o comércio a fechar mais cedo como forma de apoio à paralisação. “A entidade repudia a ação de pessoas que insistem em disseminar as chamadas ‘fake news’ para criar uma situação de desordem e deixar a população em pânico”.

Portal Correio/BlitzParaiba

0 Comentários

Deixe o seu comentário!