Blitz Paraiba

leia mais:

João Azevedo diz que apoio do PSB a Ciro não interfere na Paraíba

Sobre possível apoio a Ciro do PSB, ele disse que pode, assim, haver diferenças entre o seu partido, em cada estado.

João disse que PSB aguarda retorno de conversas sobre alianças (Foto: Walla Santos/ClickPB)

O pré-candidato João Azevedo (PSB) disse que, se houver apoio do PSB nacional a Ciro Gomes (PDT), isso terá que ser posto à mesa na Paraíba, já que, no estado, o PDT tem Lígia Feliciano como pré-candidata a governadora. Ele também falou que ainda não há definição sobre vice em sua chapa.

“O PSB (nacional) vai definir isso no começo de agosto, na convenção, de qual sairá a postura, a posição nacional do partido. Existem várias pendências da situação em cada estado, desde o apoio a Ciro, apoio a Lula…”, disse João.

Sobre possível apoio a Ciro do PSB, ele disse que pode, assim, haver diferenças entre o seu partido, em cada estado. “Isso terá que ser posto à mesa. Então é provável que não haja unidade nacional.”

Sobre os impactos da reunião de Ricardo Coutinho com Daniella Ribeiro, João Azevedo foi direto. “Não tem aliança, ainda, com o PP. Nós estamos conversando também com vários outros partidos. Nós temos um respeito muito grande pelo tempo de cada partido.”

Sobre as negociações com partidos, ele detalhou. “O processo acontece através de reuniões internas que nós temos dos dois grupos. A partir daí, essas pessoas voltam para suas bases para conversar, volta-se à mesa, senta-se e, assim, é um processo de construção. Quando, evidentemente, a quantidade de convergência é maior, claro que as conversas prosseguem em direção a uma aliança. Quando não, fica pelas conversas. É assim que acontece com o PP e com outros partidos (que conversam com o PSB).”

Ele disse que o período é de aguardar respostas. “Estamos, nesse momento, esperando retorno dessas últimas reuniões que aconteceram.”

Sobre o PDT, ele falou que o partido está em seu projeto com Lígia, mas que o PSB está aberto a conversas, mas sem tomar a iniciativa. “O PDT voltar a fazer parte do processo eu acho que é natural. A condição de vice não está posta, nem foi discutido isso. Estamos abertos a conversar com qualquer partido desde que sejamos provocados para essa conversa, pelos partidos. No caso da vice-governadora, nós não fomos convidados para nenhuma reunião, portando eu não tenho como adiantar qualquer posicionamento. Cada partido tem a sua independência para escolher seus próprios caminhos. O PDT está encaminhando seu projeto, que é a pré-candidatura da vice-governadora e nós respeitamos isso.”

0 Comentários

Deixe o seu comentário!